Funcionamento: Segunda a Sexta das 09h00 as 19h00
Ligue 11 5571 8777 | Whatsapp: (11) 98920-4546

Melasma é uma condição crônica da pele caracterizada por manchas escuras. A coloração dessas manchas pode variar de castanho-escuras a marrom acinzentadas, a depender da quantidade de melanina no corpo. Se localizam principalmente no rosto, na região das maçãs, testa, lábio superior, queixo e têmporas.

Essa hiperpigmentação também pode aparecer em outras regiões como braços, colo e pescoço. Segundo o International Journal of Women’s dermatology, as mulheres na menopausa são as que constumam apresentar o melasma em áreas diversas do corpo.

 

As manchas de melasma possuem formato irregular e limites bem demarcados. Costumam ocorrer de maneira simétrica, ou seja, nos dois lados do rosto.

 

O melasma acomete na maioria mulheres em fase reprodutiva, entre 20 a 50 anos. Cerca de 75% das mulheres grávidas apresentam algum tipo de melasma. Os homens também podem apresentar o transtorno, mas em bem menor porcentagem. Correspondem a menos de 20% dos casos.

 

Pessoas com tom de pele escuro, afrodescendentes, árabes, asiáticos e hispânicos tem maior probabilidade de desenvolverem o melasma. Isso porque possuem maior quantidade de melanina, proteína responsável pela coloração da pele.

 

Por ser uma doença crônica e recidivante, ou seja, não tem cura e reaparece, pode causar prejuízos emocionais e diminuição na auto-estima. É comum as pessoas com melasma evitarem contato social e até profissional, causando enormes danos na vida como um todo.

 

 

Quais as causas do melasma?

 

 

As causas do melasma ainda não foram totalmente esclarecidas mas sabemos que essa mancha não é simplesmente um excesso de melanina. O melasma é decorrente de um conjunto de alterações que atinge os melanócitos fazendo com que ele reaja de maneira desequilibrada e exagerada.

Além da coloração da pele e da herança genética, sexo e faixa etária, existem alguns fatores de risco e estímulos que provocam o aparecimento do melasma:

 

  • Exposição ao sol ( raios ultravioleta) e ao calor
  • Uso de píluas anticoncepcionais;
  • Estresse
  • Hormônios presentes em anticoncepcionais orais
  • Tratamentos de reposição hormonal
  • Gravidez ( fase em ocorrem alterações hormonais)
  • Disfunção da tireóide
  • Alguns medicamentos de tratamento de hipertensão e epilepsia.

 

 

 

Quais os tipos de melasma?

 

A mancha de melasma pode ser subdividida em 3 categorias, de acordo com a distribuição da melanina nas diferentes camadas da pele. São elas:

 

Epidérmico: quando a melanina está concentrada na camada mais externa da pele que é a epiderme.

 

Dérmico: quando a mancha afeta a camada intermediária da pele, a derme. É nessa camada que estão localizados os vasos sanguíneos, glândulas sebáceas e sudoríparas, terminações nervosas.

 

Misto: quando a mancha está localizada tanto na derme quanto na epiderme.

 

 

Quais os tratamentos para melasma?

 

Os tratamentos para melasma existentes podem ser de uso tópico, como cremes clareadores ou podem ser procedimentos estéticos. A combinação desses tratamentos também pode ser indicada pelo seu dermatologista.

 

Alguns tratamentos tópicos:

 

Hidroquinona

 

Usada em concentrações de 4% e 5%, a hidroquinona é uma das substâncias mais utilizadas no clareamento de manchas de melasma. Porém, deve ser utilizada por no máximo 3 meses. O uso prolongado pode ser tóxica para o organismo. Depois desse período a hidroquinona deve ser substituída por outra substância clareadora.

 

 

Ácidos:

 

Os ácidos combinados com cremes para uso tópico são bastante recomendados. Os resultados demoram cerca de 2 meses para começarem a aparecer. Entretanto, não funciona com todos os pacientes. É importante ressaltar que o tratamento deve ser feito juntamente com o uso diário de filtro solar de alta proteção. Alguns ácidos utilizados: arbutin, ácido kójico, ácido fítico, ácido tranexâmico, ácido dióico, ácido glicólico, ácido retinóico e ácido azeláico.

 

 

 

 

 

A seguir alguns procedimentos estéticos para melasma:

 

Laser Emerge

 

O laser Emerge é um equipamento de laser de diodo fracionado, cuja especialidade é emitir pulsos na forma de microcolunas ou “colunas térmicas”, facilitando a coagulação da epiderme, criando um tecido novo e sem prejudicar o tecido de áreas adjacentes à area que está sendo tratada.

 

Outra vantagem do laser Emerge está na possibilidade de potencializar seus benefícios através do uso de produtos clareadores e antioxidantes como a vitamina C logo após a aplicação, momento em que a pele está mais vulnerável, facilitando assim a absorção maior dessas substâncias. Esse uso de substâncias potencializadoras dos resultados é conhecido por “drug delivery” no mercado de estética.

 

 

Peelings

 

Peelings são procedimentos que promovem uma esfoliação na camada superficial da pele. Sua ação promove uma renovação da pele e um estímulo de colágeno, proporcionando uma pele mays jovem e firme. Um de seus efeitos consiste no clareamento de manchas de melasma. No entanto, devemos ficar atentos à concentração do peeling. Caso ele seja muito agressivo, é possível que atinja camadas profundas, causando processos inflamatórios. Isso pode resultar num agravamento das manchas, pois os melanócitos podem ser estimulados e produzirem mais melanina.

Os peelings indicados para o tratamento de melasma devem ter concentração de 30% e os ácidos recomendados são oretinóico, glicólico e mandélico.

As sessões devem ser feitas com intervalos de no mínimo 15 dias. A fotoproteção deve ser intensa pois a exposição aos raios ultravioletas farão com que as manchas reapareçam.

 

 

Micropunção elétrica

 

O processo de tratamento do melasma é muito eficiente com o procedimento de micropunção elétrica. As microlesões geradas através da técnica de “microneedling” permitem que ativos despigmentantes atinjam as camadas mais profundas da derme. Além disso, o procedimento é feito de maneira uniforme e com o tamanho de agulha indicado para cada caso. O resultado é um combate às manchas com efeitos mais satisfatórios do que outros procedimentos.

 

Após a sessão, uma máscara com produtos nanoencapsulados clareadores é deixada cerca de 4 a 6 horas.

 

No período de recuperação é indicado evitar exposição ao sol. O uso de protetores solares não oleosos ou não alcóolicos são receitados.

 

O número de sessões vai depender da cada caso. Em geral são necessárias de 3 a 6 sessões com intervalo de 4 a 6 semanas entre elas.

 

 

Atenção: este procedimento só deve ser feito por um profissional dermatologista capacitado e dentro de um consultório ou clínica médica.

 

 

Como prevenir o aparecimento de melasma?

 

O melasma é crônico e reincidivo e os raios ultravioletas são os principais desencadeadores de novas manchas. Por isso é fundamental o uso de filtros solares de amplo espectro diariamente.

 

Em pesquisa recente, os casos de reincidiva foram de 53% a 2,7% em pacientes grávidas que usaram filtro solar de alta proteção.

 

Estudos revelaram que a irradiação da luz visível azul também provoca a hiperpigmentação em pacientes com peles mais escuras. As fontes de luz visível azul mais comuns são lâmpadas, computadores, celulares, televisores, entre outros.

Para se proteger dessa irradiação é recomendado o uso de fotoproteção específica, como os filtros solares com óxido de ferro em sua composição.